Sábado, 19 de Junho de 2021 04:37
27992035090
Dólar comercial R$ 5,07 0.92%
Euro R$ 6,02 +0.62%
Peso Argentino R$ 0,05 +0.88%
Bitcoin R$ 190.892,19 +0.28%
Bovespa 128.405,35 pontos +0.27%
Economia CÂMARA

Pandemia torna mais vulneráveis trabalhadoras domésticas, concluem debatedores

Deputadas defendem vacinação imediata da categoria

10/05/2021 18h50 Atualizada há 1 mês
28
Por: Redação Agora ES Fonte: Agência Câmara de Notícias
1,3 milhão de trabalhadoras domésticas perderam o emprego na pandemia - (Foto: Depositphotos)
1,3 milhão de trabalhadoras domésticas perderam o emprego na pandemia - (Foto: Depositphotos)

As trabalhadoras domésticas formam um dos grupos mais vulneráveis no País em razão da pandemia do novo coronavírus, concordaram deputadas e debatedores nesta segunda-feira (10), durante videoconferência promovida pela Secretaria da Mulher da Câmara dos Deputados.

No ano, 1,3 milhão de vagas sumiram, segundo a coordenadora do sistema de pesquisas domiciliares do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Maria Lúcia Vieira, e a supervisora técnica no Distrito Federal do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Mariel Lopes.

Dados do IBGE indicam que, no trimestre encerrado em fevereiro de 2019, havia 6,2 milhões de trabalhadores domésticos, sendo 92% mulheres e 66% negras. No mesmo período de 2021, durante a pandemia, o contingente caiu para 4,9 milhões – apenas 26,7% com carteira assinada. O salário médio era de R$ 925.

A representante da Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia Mariana Almeida disse que, em 2020, foram 320 mil acordos envolvendo trabalhadores domésticos no âmbito do Benefício Emergencial, dos quais 62% para suspensão temporária do contrato. O programa foi prorrogado neste ano (MP 1045/21).

Mariana Almeida reconheceu o aumento da informalidade nesse segmento. A 3ª coordenadora adjunta da bancada feminina na Câmara e mediadora do debate, deputada Professora Marcivania (PCdoB-AP), cobrou campanhas para formalização dos vínculos empregatícios. “É feio não pagar direitos”, ressaltou.

Prioridade na vacinação
Ao citar proposta hoje em regime de urgência na Câmara (PL 1011/20), a presidente da Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas (Fenatrad), Luiza Batista Pereira, lembrou que a categoria foi classificada como essencial e reivindicou a inclusão entre as prioridades para vacinação contra a Covid-19.

Ambas representantes da Frente Feminista Antirracista, Cleusa Aparecida da Silva, da Articulação de Mulheres Negras Brasileiras, e Sonia Maria Coelho Gomes, da Marcha Mundial de Mulheres, reforçaram o apelo por vacinação já.

Deputadas apoiaram a ideia. “Vamos lutar para que a vacina chegue a todas e todos”, disse Benedita da Silva (PT-RJ). Essas trabalhadoras são em sua maioria usuárias do transporte coletivo público, lembrou Vivi Reis (Psol-PA). “É preciso pressionar para que essa medida seja aprovada”, destacou Erika Kokay (PT-DF).

Proteção e apoio
Segundo a procuradora regional Adriane Reis de Araújo, coordenadora nacional de Promoção da Igualdade de Oportunidades e Eliminação da Discriminação no Trabalho do Ministério Público do Trabalho, cresceu o registro de denúncias na pandemia. “Foram 13 casos de condições análogas à escravidão”, afirmou.

Adriane Araújo defendeu mudanças nas regras do seguro-desemprego, alertou para a recorrência de casos de mão de obra infantil e, devido à informalidade, criticou a dificuldade das trabalhadoras domésticas para acesso aos benefícios gerais da Previdência Social e aos auxílios temporários em razão da Covid-19.

Na mesma linha, o diretor do escritório no Brasil da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Martin Hahn, disse que é urgente a defesa dos trabalhadores em situação de vulnerabilidade. “A pandemia exige cuidado com as casas, e as trabalhadoras domésticas estão mais sujeitas ao contágio e aos abusos”, disse.

Segundo Martin Hahn, medidas como o auxílio emergencial de R$ 600 foram importantes, mas realçou a necessidade de políticas públicas permanentes que reconheçam o trabalho doméstico remunerado como fundamental na pandemia e depois dela. “Ninguém deve ser deixado para trás”, afirmou.

Participaram ainda do debate, pela Fenatrad, a secretária-geral, Creuza Maria Oliveira; a secretária de Formação, Cleide Pinto; a conselheira fiscal Chirlene Brito; e o diretor financeiro, Francisco Xavier de Santana. Ele sugeriu a criação de multas para todos os responsáveis pela informalidade no trabalho doméstico.

Comemorações
Segundo a Secretaria da Mulher da Câmara, o evento marcou também o Dia Nacional da Empregada Doméstica (27 de abril), o Dia do Trabalhador (1º de maio), e o dia 12 de maio, aniversário de morte de Laudelina de Campos Melo, uma das referências na atuação organizada das trabalhadoras domésticas no Brasil.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.